Press Releases
print

Brasil – A IFC reescalona US$43,6 milhões em empréstimos pendentes à Ipiranga Petroquimica S.A.


Adriana Gomez
Fone:+(202) 478 5204- Fax:+(202) 974 4384

Email:
agomez@ifc.org

Corrie  Shanahan

Fone:+(202) 473 2258- Fax:+(202) 974 4384

Email:
cshanahan@ifc.com


Washington, D.C., 28 de julho de 2003—A International Finance Corporation, o órgão de financiamento privado do Grupo do Banco Mundial, reescalonou US$43,6 milhões de um total de US$64,9 milhões em empréstimos pendentes fornecidos à Ipiranga Petroquímica S.A. (IPQ), do Brasil. O reescalonamento dos empréstimos da IFC inclui um empréstimo A devido à própria IFC e um empréstimo B devido a um consórcio de bancos. Além disso, o Kreditanstalt fur Wiederaufbau (KfW), o banco de desenvolvimento da Almenha, e a sua subsidiária, Deutsche Investitions und Entwicklungsgesellschaft (DEG), em coordenação com a IFC, reescalonaram US$33,3 milhões de um total de US$70 milhões de empréstimos pendentes à empresa.

Esses reescalonamentos e uma injeção patrimonial de R$350 milhões ao Grupo Ipiranga são parte das iniciativas da empresa a fim de reestruturar a sua dívida de curto e longo prazo num total de US$550 milhões, no fim de 2002. A empresa reduzirá a sua dívida em cerca de US$100 milhões e reduzirá substancialmente as suas despesas com juros.


A desaceleração do mercado de produtos petroquímicos em todo o mundo desde 2000 reduziu as margens de lucro da empresa e a crise financeira do Brasil em meados de 2002 agravou a sua liquidez. A empresa, uma grande produtora brasileira de produtos petroquímicos, tem quatro usinas de polietileno e uma de polipropileno no conjunto petroquímico de Triunfo, no Rio Grande do Sul. Um projeto recente de expansão aumentou a capacidade de produção de polietileno e de polipropileno da empresa para 150 000 toneladas por ano em cada um desses produtos. A expansão foi financiada na base de um financiamento de projeto com dívida a longo prazo fornecido pela IFC e um consórcio de bancos que participam do programa de empréstimos B da IFC e da KFW. O reescalonamento ajudará a empresa a sobreviver nas condições dífíceis pelas quais passam tanto o setor quanto o Brasil.


Essas operações contribuem de forma significativa para o desenvolvimento da economia do Rio Grande do Sul e também do país.  A produção de petroquímicos é uma das mais importantes dentro da indústria brasileira.  Em 2001, o Brasil se tornou o líder na produção de produtos petroquímicos na América Latina.


Rashad Kaldany, o Diretor de Petróleo, Gás, Mineração e Produtos Químicos da IFC disse que “estamos satisfeitos por assistir um velho cliente nesse período difícil atravessado pelo Brasil. O forte empenho do Grupo Ipiranga em fazer com que a empresa sobreviva a longo prazo e a confiança dos financiadores do projeto nas perspectivas empresariais do grupo contribuiram substancialmente para o sucesso no fechamento desse reescalonamento”.


Por sua vez, Mary Elizabeth Ward, a Gerente da IFC para Mobilização de Recursos,  disse que “os bancos no programa de empréstimos B da IFC foram unânimes no seu apoio a esse reescalonamento. Consideramos que isso demonstra que uma estrutura apropriada para a transição poderá estimular os credores a apoiarem as empresas brasileiras num momento difícil”.


A missão da IFC (
www.ifc.org) é promover investimentos sustentáveis no setor privado dos países em desenvolvimento, ajudando-os a reduzir a pobreza e a melhorar a vida das pessoas. A IFC financia investimentos do setor privado no mundo em desenvolvimento, mobiliza capital nos mercados financeiros internacionais, ajuda clientes a aumentarem a sustentação social e ambiental e proporciona assistência técnica e assessoramento aos governos e empresas. Desde a sua fundação, em 1956, a IFC já empenhou mais de US$34 bilhões dos seus próprios recursos e levantou US$21 bilhões por meio de consórcios para 2825 empresas em 140 países em desenvolvimento. A carteira de empenhos da IFC no fim do exercício financeiro de 2002 era de US$15,1 bilhões, com outros US$6,5 bilhões mantidos para os participantes em consórcios de empréstimos.